Página 2 de 4

História do Tatuagem – The Rock of Ages

The Rock of Ages é uma imagem religiosa clássica que tem sido aplicada como uma tatuagem centenas, se não milhares de vezes em todo o mundo. A imagem icónica é facilmente identificável e a sua forma é perfeitamente aplicada a um antebraço, a uma coxa ou a um dorso total.

Trabalho feito por Percy Walters, Rock of Ages, 1920-1930 Imagem do livro Modern Primitives

O nome Rock of Ages vem de um hino escrito em 1763, quando um reverendo de Somerset foi pego em uma tempestade, e encontrou refúgio em um buraco no desfiladeiro por onde passava.

Não foi por mais 100 anos até que a representação visual do Rock of Ages que conhecemos tomou forma. Na década de 1860, Johannes Oertel pintou um quadro intitulado “Salvo, ou uma representação emblemática da fé cristã”, que foi amplamente reproduzido com o título “Rock of Ages”.

A imagem se prestava perfeitamente à tatuagem, com seu tema naval dramático, mulher bonita e simbolismo religioso. A forma da imagem significava que ela poderia ser aplicada perfeitamente em muitas áreas do corpo, seja uma pequena tatuagem no antebraço ou um backpiece completo com uma moldura. É difícil dizer quando essa imagem foi tatuada pela primeira vez, mas a imagem foi criada por muitos tatuadores, incluindo Samuel O’Reilly por volta do final do século XIX.

Rock of Ages pintado por Bert Grimm.

Muitas vezes você verá litografias antigas da imagem em lojas de antiguidades e nas paredes de lojas de tatuagem em muitas formas diferentes. Às vezes, haverá mais de uma pessoa na cena, muitas vezes com um navio afundando ao fundo e, às vezes, a cena em terra. Há muitos significados que podem ser dados à imagem, sendo o mais óbvio que sua fé o manterá seguro em tempos difíceis.

Anúncios

Kitsune – Significado de Máscara Japonesa

Algumas das máscaras tradicionais japonesas são as máscaras Kitsune, Noh, Kyōgen, Shinto e Kagura. Noh é um drama musical japonês clássico baseado em contos de literatura tradicional realizados desde o século XIV. Kyōgen é uma forma de performance tradicional de quadrinhos japoneses no teatro. Foi realizado como um intervalo entre os atos do Noh. O xintoísmo é uma religião étnica no Japão e se concentra em práticas rituais. Kagura é um tipo de dança teatral xintoísta.

A máscara Kitsune é uma máscara de raposa. Tem significado na religião e na tradição popular.

Nos corações dos japoneses, a raposa tem um poder misterioso, que simboliza a fertilidade, prosperidade, mensageiros de colheita deus Inari (arroz), e vai trazer boa sorte, para que a imagem da raposa é muitas vezes consagrado em várias partes do Japão, o local, Todo mundo ama e persegue. Por exemplo, o protagonista masculino do popular mangá japonês “Yuanqi Maiden God” é na verdade um monstro da raposa que serve ao deus da terra no santuário.

A simbologia da carpa (Koi) na tatuagem Japonesa

As carpas (Koi) são extremamente importantes e presentes na cultura asiática. Tal importância deriva de anos de histórias e lendas, em especial de uma em que na época de reprodução, as carpas deveriam cruzar a China inteira através do rio  Huang Ho (rio Amarelo) para depositar suas ovas, passando por vários obstáculos como pequenas quedas d´água e rochas, ainda de acordo com a lenda, a carpa que chegasse no fim do percurso se tornaria um dragão.

Com a difusão dessa lenda, a carpa passou a ser símbolo de força, persistência e superação.

O Japão é cheio de festividades tradicionais, todas elas tem explicações baseadas em lendas e com significados muito interessantes. Conheça seis tradições e uma delas é o Koinobori (鯉幟 literalmente, Bandeira de Carpa’?) é um costume do povo japonês de comemorar o Dia dos Meninos no dia cinco de maio hasteando birutas em forma de carpa. O costume anterior à restauração Meiji chamava-se fukinagashi.

No Japão, meninos e meninas são homenageados, tradicionalmente, em dias separados, havendo o Dia dos Meninos e o Dia das Meninas. O Dia das Crianças é posterior à Segunda Guerra, sendo comemorado no mesmo Dia dos Meninos (cinco de maio). A tendência moderna é que o koinobori se sincretize com a comemoração do Dia das Crianças e adquira um caráter cada vez mais decorativo, menos varonil, com a carpa representando a esperança dos pais de que suas crianças cresçam fortes e saudáveis.

O Dia das Crianças é o desfecho da Golden Week (Semana de Ouro) do japonês que junta três feriados nacionais: o Dia de Showa (29 de abril), o Dia da Constituição (3 de maio) e o Dia das Crianças (5 de maio). O dia 4 de maio é o Dia do Verde, dia que é “enforcado” sempre que os feriados do dia 3 e 5 caem num dia da semana. O 1º de Maio, embora não seja feriado nacional no Japão, também tem sido motivo de comemoração.

Golden Week – Semana dourada

O Japão é um dos países com mais feriados ao longo do ano, isso se deve principalmente pelo fato de não existirem férias remuneradas de 30 dias, como no Brasil e em outros países. Esses diversos feriados são espalhados ao longo do ano, mas determinadas datas acabam sendo próximas um das outras, originando 3 grandes feriados prolongados:

  • O feriado do ano novo, que engloba o Oshougatsu, data extremamente importante na cultua japonesa.
  • O feriado de verão, (Natsu Yasumi), onde as pessoas aproveitam para fazer mais passeios ao ar livre, visitar parques e praias, devido ao calor da época;
  • E a semana dourada – Golden Week: semana que engloba vários feriados nacionais e que tem início agora, entre final de abril e começo de maio.

A Golden Week é composta por várias datas de suma importância no calendário japonês, são elas:

  • Dia 29 de abril –  dia de Showa, data na qual era o aniversário do Imperador Showa (que foi o 124° Imperador japonês e que teve o maior reinado de todos, sendo símbolo do crescimento do Japão como potência mundial);

hirohito-imperador-do-japao-entre-1928-e-1989-1408777705076_615x470
Imperador Showa

  • Dia 3 de maioKenpo Kinenbi (憲法記念日) , dia da constituição japonesa, que entrou em vigor dia 3 de maio de 1947, substituindo o antigo regulamento da era Meiji. Nesta data as portas do Kokkai Gijido – Palácio do Parlamento Japonês são abertas ao público, e é costume da população refletir sobre as leis japonesas e a democracia em geral;

kokkai-gijido
Kokkai Gijido

  • Dia 4 de maio –  Midori no Hi (みどりの日), é o dia do Verde, é uma data propícia para visitar um parque em família, realizar atividades relacionadas ao respeito à natureza. Vários voluntários se disponibilizam a plantar árvores, ministrar palestras e oficinas ligadas à prática da educação ambiental e sustentabilidade;

depositphotos_44441097-stock-illustration-green-day-national-holiday-japan

  • Dia 5 de maio – Kodomo no Hi (こどもの日), é o dia da criança, data para celebrar a felicidade  das crianças, em especial dos meninos, faz parte da tradição colocar bandeiras em formato de carpas penduradas ao redor das residências, a carpa (Koi) tem uma grande importância dentro da cultura japonesa, sendo mencionada em várias lendas e relacionada com a boa sorte.

100-cm-Bandeiras-Birutas-carpa-Koi-nobori-Peixe-Koinobori-Japon&ecirc
Koinobori

Além dessas datas especiais, a Golden Week marca o fim do inverno, época do Hanami, período onde as tradicionais cerejeiras (Sakuras), tem o ápice de seu florescimento, proporcionando um período de beleza única e ideal para contemplação da natureza.

 

1392237053913.jpg;filename_=UTF-8''1392237053913.jpg
Hanami

Texto por Rafael Lucente

 

 

Gueixas – as especialistas nas artes japonesas

As gueixas (芸者) são mulheres japonesas que se dedicaram em estudar e se especializar nas diversas artes relacionadas ao Japão, como a música, poesia e a dança.

Seu papel era extremamente importante na sociedade japonesa, atuando mais ativamente na parte do entretenimento de festas ou ocasiões especiais e NÃO estão relacionadas a serviços sexuais, como é o pensamento de muitas pessoas no Ocidente.

Gueixa

Para atingirem esse posto de “guardiãs” da vasta cultura Japonesa, as gueixas ou Geiko (芸子)  como também são conhecidas, passam por rigorosos treinamentos, que além de durarem muitos anos, custavam muito caro, ao passo que muitas vezes, a gueixa possuía um danna (uma espécie de patrocinador) que financiava os estudos da até então maiko, nome utilizado para as aprendizes de gueixa. Todo esse aperfeiçoamento era feito em lugares conhecidos por  oki-ya e se iniciava antes da mulher completar 18 anos.

Além de dominarem diversos tipos de danças e origamis, as gueixas também sabiam tocar alguns instrumentos, como o  shamisen, que foi obrigatório para todas as gueixas durante um certo período. Junto com o treinamento, vinham normas de etiqueta, postura e conhecimentos sobre vestuário e maquiagens, que eram um grande diferencial das gueixas e se caracterizava por:

  • Pele branca – graças a grandes quantidades de maquiagem branca, as gueixas apresentavam o rosto em tons bem claros, o que reforçava o fato de serem consideradas símbolos de beleza; Este processo era extremamente cuidadoso, realizado pela onee-san  (irmã mais velha) ou pela  okaa-san (“mãe”) e durava cerca de 2 horas. Originalmente, esse tipo de cosmético era a base de chumbo, que é tóxico, prejudicando a saúde e podendo até causar manchas amareladas na pele;
  • Cabelo – outra característica marcante das gueixas era seu penteado, em alguns momentos da história era utilizado o cabelo longo, porém o tipo de penteado que mais está associado a elas é um tipo de coque chamado shimada e possui algumas variações, como o shimada taka (um coque mais alto)  e o shimada tsubushi, um coque mais achatado. Já as aprendizes maiko, usavam o uiwata, coque com um pedaço de algodão colorido no formato de uma metade de pêssego;
  • Vestimentas – o traje usado pelas gueixas era o quimono, que poderia ter diferentes cores dependendo da ocasião ou até mesmo da estação do ano, as maiko também usavam quimonos, porém as mesmas usavam vestimentas de cores vermelhas ou rosadas, e seus quimonos possuíam mangas mais longas, o que ajudava a diferenciar uma gueixa mais experiente de uma aprendiz.

Maiko

Em geral a mulher que pretendia se tornar gueixa deveria dedicar sua vida toda a isso, abrindo mão por exemplo de ter um marido e filhos, o que tornava ainda mais difícil e valorizava ainda mais esse grande posto na sociedade. Tema muito utilizado em tatuagens asiáticas, as gueixas se tornaram símbolo de beleza e dedicação, tanto na Ásia como no ocidente, inspirando vários contos e livros, como o caso de “Memórias de uma gueixa” que acabou se tornando filme e sendo sucesso mundial.

Texto por Rafael Lucente.

Memórias de uma Gueixa - filme
Imagem do filme “Memórias de uma gueixa”

Daruma : O boneco da sorte

O Daruma ( だるま) é um típico boneco japonês, normalmente dado como presente, afim de trazer proteção, sorte e realizar desejos.

O nome de Daruma deriva da pronuncia de Dharma, e surgiu a partir de uma história de um monge indiano (Bodhidharma) fundador do budismo Zen, que para não dormir, arrancou suas pálpebras e meditou por 9 anos.

bodhidharma
Monge Bodhidharma

Em geral os bonecos Daruma são de madeira, apresentam com vermelha (em razão do traje utilizado pelo monge), possui formato arredondado e sem mãos nem pés (pelo fato dos membros do monge terem se atrofiado ao longo dos 9 anos de meditação) e originalmente não possui pupila, já que faz parte da tradição pintar uma pupila do boneco quando fizer um pedido para ele e a outra quando o desejo se realizar. Para finalizar o ritual do pedido, o boneco deve ser queimado simbolizando que o espírito não esqueceu do pedido.

boneco-daruma

Além dessas características, o boneco possui uma sobrancelha relacionada as aves grou e uma barba relacionada a tartaruga, ambos possuem um significado muito forte com relação à longevidade.

IMG_1395.jpg
Ilustração por Toshio Shimada

Texto por Rafael Lucente

Tigre na cultura asiática (上山虎)

A cultura asiática é mundialmente conhecida por sua riqueza de histórias, lendas e significados. Além de criaturas mágicas, demônios e divindades, destacam-se também os animais, como é o caso do tigre.

O tigre (虎 – tora) é considerado um animal divino pelos povos asiáticos e o supremo animal terrestre, sendo um dos 4 animais sagrados ao lado da fênix, tartaruga negra e o dragão.

O tigre é um animal extremamente feroz, imponente e belo, além de estar no topo da sua cadeia alimentar. Essas características fazem com que as tatuagens de tigres estejam associadas à força, coragem, beleza e poder.

Na crença budista, o tigre representa a fé, a força espiritual e a disciplina. Já para povos chineses, está mais associado a realeza, especialmente se tratando do tigre siberiano (tigre branco)

O tigre branco (Byakko) simboliza o outono e o elemento metal e na cultura chinesa, seria o guardião do ponto cardeal oeste.

Além de todos os significados positivos, o tigre também pode representar a ira e a vingança, de modo que alguns demônios são retratados usando trajes feitos de pele de tigre.

Na tatuagem em geral, o tigre costuma aparecer associado ao dragão, ou como peça principal da tatuagem, tendo flores como sakura ou rosas como fundo da composição.

Oni – “demônio” do folclore japonês

A cultura oriental no geral é extremamente rica e nela destaca-se principalmente as lendas do folclore japonês, que por muitas vezes é usado como referências para tatuagens, como é o caso da lenda de  Kintarō – Oniwakamaru, da Hannya e do Oni, criatura muito presente em peças do teatro Nos japonês.

O termo Oni () significa ogro ou troll, é muitas vezes descrito como demônio, porém o termo mais correto pra demônio em japonês seria yokai.

Esta criatura possui corpo de  ser humano, cabeça de animal (que vai de macaco até pássaros) e 2 chifres que podem ter formatos e tamanhos variados. Sua expressão sempre nervosa,  faz com que sejam considerados criaturas maléficas, que atormentam vilas inteiras e poderiam até se alimentar de seres humanos, tanto os pecadores do inferno, como de alguns seres na Terra.

Uma das variações é descrita usando um  fundoshi  de tigre (um traje típico japonês que se assemelha a uma tanga) e pode representar Kimon, a porta do demônio, na qual os espíritos devem passar.

Porém os Oni também podem ser considerados um símbolo de proteção, ao passo que sua aparência feroz ajudaria a afastar espíritos e energias negativas.

No japão é comemorado o Setsubun, um feriado para celebrar a chegada da primavera e os Oni tem grande importância para a data, pois é tradição que nesta data pessoas usem máscaras de ogros com intuito de afastar as coisas ruins da estação que está chegando.

Além do folclore tradicional, os Oni aparecem frequentemente na cultura Pop japonesa, servindo de inspirações para vários personagens de animes, mangás e jogos, como acontece em Dragon Ball Z, Naruto e Pokemon.

As tatuagens de Oni normalmente são usadas como símbolo de proteção para a pessoa e podem compor um desenho com outras peças, ou então sendo a peça principal.

Texto por Rafael Lucente

Kintarō – Oniwakamaru

A história de Kintarō é uma das mais famosas lendas do folclore japonês, além de aparecer frequentemente nas peças do teatro Noh, também  é muito usada como referência para tatuagens asiáticas.

Kintarō (金太郎) também é conhecido no Japão e no mundo como o menino dourado pelo fato de ser representado usando um babador com o kanji 金, que representa o ouro, seus poderes compreendem uma força descomunal e uma grande empatia com os animais.

Kintaro

Sua origem pode variar muito de acordo com as diversas lendas sobre ele, porém uma das mais conhecidas é que ele tenha sido criado por uma bruxa no Monte Ashigara, pois sua verdadeira mãe o abandonou.

Em algumas versões das lendas, Kintaro é associado ao dragão vermelho (Deus do trovão chinês “Lei gong), nessa versão, sua mãe seria a própria feiticeira, que teria acordado após um enorme trovão e após o susto teria percebido estar o grávida da própria divindade.

Independente das origens, Kintaro é retratado como uma criança robusta, de cor avermelhada. Usava sua machadinha e força para arrancar árvores, destruir rochedos e até mesmo lutar contra ursos e demônios das montanhas.

kintarokoi

Como símbolo de juventude e força, é comum no Japão que as crianças ganhem bonecos do Kintaro no dia das crianças, afim de inspirar a coragem e bravura do menino.

kintaroboneco

Já em sua forma adulta, Kintaro passa a ser chamado de Sakata Kintoke (ou Oniwakamaru, dependendo do conto), foi levado até Kyoto, e após dedicar-se às artes marciais, foi de guarda a chefe do Shiten´no.

Por sua força e grande empatia com animais, costuma ser ilustrado enfrentando grandes seres ou bestas ferozes.

A pedido de um cliente, Toshio Shimada está trabalhando em uma arte relacionada à lenda de Kintaro/Oniwakamaru, confira:

17240103_1430127340362678_8707839260481150970_o.jpg
Arte por Toshio Shimada

Texto por Rafael Lucente

Toshio Shimada leva 2° lugar no Tattoo Fest Capivari

Entre os dias 10, 11 e 12 de março, aconteceu a segunda edição do Tattoo Fest Capivari e Toshio Shimada além de estar presente, ganhou o prêmio de 2° lugar em uma das categorias.

Inscrito na categoria “série de desenhos coloridos” Toshio Shimada apresentou 6 de suas várias artes, e com a temática asiática e uma excelente combinação de cores e técnicas, ganhou o 2° lugar na categoria.

IMG_1245
Artes premiadas e troféu da categoria (foto Rafael Lucente)

IMG_1250
Troféu da categoria (Foto por Rafael Lucente)

As imagens individuais das artes vencedoras e muitas outras você pode ver aqui na sessão artwork.

Para fazer um orçamento ou encomendar uma arte com Toshio Shimada, visite o studio Shimada Tattoo, localizado na Rua Galvão Bueno – 28, sala 21 – Liberdade, SP.

Tel: (11) 3275-0093

17156069_398071673894380_3657874457068708204_n
Toshio Shimada com o troféu

Texto por Rafael Lucente.